Triênio 2020-2023: Gestão implantou mais um escritório de atendimento jurídico presencial e ampliou áreas de defesa do Policial Civil

19/05/2022 08/06/2022 09:17 160 visualizações

Depois da consolidação de três escritórios para atendimento jurídico distribuídos em Palmas, Gurupi e Araguaína, O SINPOL-TO ampliou os trabalhos relativos à assessoria jurídica aos filiados, alcançando o extremo norte do Estado.  Ao assumir a gestão do Sindicato, a presidente Suzi Francisca, em conjunto com a Diretoria, estabeleceu um escritório em Araguatins, com a intenção de propiciar um atendimento presencial aos filiados da região.  

“Ouvimos a categoria e fizemos um mapeamento das mudanças que seriam necessárias. Na nossa proposta de ampliar a atuação do jurídico, era importante que a assessoria jurídica estivesse ao alcance de todos”. 

 O Diretor Jurídico da entidade, Davi Domiciano, explica as dificuldades que eram impostas pela distância. “O Bico do Papagaio é muito distante de onde estavam instalados esses escritórios. Em caso de necessidade por parte do filiado, era preciso recorrer a uma dessas três cidades. Nós temos muitos filiados nessa região do Estado e era necessário que nossos serviços fossem acessíveis a todos”. 

Por dois anos, o atendimento em Araguatins foi realizado pela Dra. Myrlla Bustorff.  Atualmente, a unidade está em fase de transição, e outro advogado passará a realizar a representação dos filiados.  O responsável pela assessoria jurídica da entidade, o advogado Flávio Albuquerque, está atuando para designar, junto à Diretoria do SINPOL, um profissional qualificado para a defesa dos interesses dos filiados. 

AMPLIAÇÃO DA ATUAÇÃO DO JURÍDICO 

 Além dos atendimentos presenciais, durante o triênio 2020-2023, a gestão deixou de atender apenas ações cíveis, administrativas e criminais relativas ao exercício da função policial, passando a atender nas modalidades de direito do consumidor e direito da família, casos como separação e divórcio, guarda dos filhos, revisão e execução de alimentos, dentre outras. 

“Foi preciso sensibilidade e força de vontade para atender a essas demandas que o Sindicato pode ajuizar em favor dos filiados”, arrematou a presidente Suzi Francisca.