Nota de repúdio

23/04/2019 23/04/2019 18:18 819 visualizações

 

 

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Tocantins, SINPOL-TO, vem à público manifestar a indignação de todos os Policiais Civis em decorrência da falta de isonomia no tratamento dispensado pelo Governo do Estado e Poder Legislativo entre as forças estaduais de segurança pública.

 

Os policiais civis, assim como os policiais militares e bombeiros militares, comemoraram no último domingo, 21 de Abril, a passagem comemorativa anual em alusão às suas corporações, no entanto, as comemorações restaram comemoradas tão somente aos militares.

 

Na noite desta segunda-feira, 22, em evento solene e pomposo o Governador Mauro Carlesse, assinou o ato de concessão de promoção a centenas de militares, alegando em parte a desoneração que será causada pela aposentadoria de alguns destes. Não duvidamos nem tampouco revidaremos os direitos alcançados pelos  militares, por entendermos ser legítima as promoções, e neste diapasão parabenizamos cada um dos contemplados.

 

A indignação dos Policiais Civis, refere-se especialmente a falta de tratamento isonômico as forças de segurança, que trabalham com a mesma causa, dar segurança a sociedade tocantinense, mas, quando o assunto é valorizar ou prestigiar nós Policiais Civis somos esquecidos pelos gestores do Palácio Araguaia. Fato é que dezenas de Policiais Civis também deveriam ter sido promovidos, uma vez que igualmente fazem jus ao ato, assim como os militares.

 

Sermos destratados, desreipeitados, deixados de lado, ja não nos espanta mais, a muitos anos que os direitos dos Policiais Civis apenas são  conquistados pela Justiça, no entanto, incomoda saber que os profissionais Policiais Civis necessitam trabalhar incansavelmente, sem descanso adequado, sem estrutura adequada, sem horas extras, mesmo diante de tantos descasos.

 

A sociedade precisa  estar ciente do descaso como estamos sendo tratados, mas também ficar ciente que não iremos medir esforços para manter a segurança de cada cidadão tocantinense, nossa missão é garantir a segurança de nossa população, e o faremos mesmo sendo desrespeitados em nossos direitos por parte do Governo do Estado.

 

O SINPOL-TO buscará as medidas judiciais cabíveis, afim de garantir os direitos dos Policiais Civis, e não descarta a necessidade de medidas mais enérgicas e que poderão produzir paralisações pontuais ou gerais no serviço prestado a comunidade.

 

Ubiratan Rebello

Presidente do SINPOL-TO