Nota Oficial de Apoio aos Policiais Civis perseguidos pelo ex-Governador Marcelo Miranda

03/10/2019 03/10/2019 08:13 163 visualizações

A Aepto (Associação dos Escrivães de Polícia Civil do Estado do Tocantins), Agepol (Associação dos Agentes de Polícia do Estado do Tocantins), Aspa (Associação dos Policiais Civis Papiloscopistas do Estado do Tocantins), Aspol (Associação dos Policiais Civis do Estado do Tocantins), vem por meio desta nota, manifestar irrestrito apoio aos policiais civis que tiveram seus nomes divulgados em reportagens recentes sobre a prisão do ex-governador Marcelo Miranda. Na decisão do TRF1 consta apreensão de dossiê em poder de Miranda contendo informações sobre estes policiais e seus familiares. Coincidentemente, eles participaram da operação conhecida como “O avião de Piracanjuba” que culminou na cassação de Miranda em 2017.

Como retaliação a esta exitosa Operação, fica evidenciado a intenção de Miranda em desvalorizar e sucatear a Policia Civil do Estado do Tocantins. No primeiro mês de governo, numa atrocidade à Constituição e demonstrando sua personalidade vingativa e autoritária, publicou um Decreto para não cumprir a Lei 2851/2014, a qual versava sobre os subsídios da categoria. Sucessivamente, negou direitos às promoções, mudou a finalidade de verba federal deixando de construir a cidade da Polícia Civil, postergou ao máximo todas etapas do último concurso que iniciou em 2014 enfraquecendo a Instituição Polícia Civil em estrutura e quantitativo. Não satisfeito, sua vaidade rompeu todos os limites quando chegou ao absurdo de ter em sua residência informações pessoais dos policiais e seus familiares. Estaria cogitando mais um ato de vingança, agora contra estes servidores?

Findado os anos em que a Polícia Civil foi negligenciada, estamos confiantes na atual gestão e esperamos que os nossos direitos tolhidos pelo ex-governador e agora réu, sejam reestabelecidos e que a instituição seja reestruturada. Assim, com servidores valorizados e uma Polícia Civil equipada, teremos o aspecto fundamental na vida do Estado Democrático de Direito: o cumprimento da justiça.

 

 

Priscilla Bittar (AEPTO)

Luis Alberto Mesquita (AGEPOL-TO)

André Gomes (ASPA)

Paulinho Sousa (ASPOL-TO)