menu
close

Representantes classistas nacionais atuam junto aos Policiais Civis do RN para mediação de conflito.

Publicado: 2018-01-10 13:35:29

Reunidos com os policiais civis do Rio Grande do Norte desde a última segunda feira, 8, os representantes classistas nacionais da Polícia Civil auxiliaram na mediação do conflito com o governo estadual.

Policiais Civis, Policiais Militares e Bombeiros Militares potiguares estavam com três salários atrasados, desde novembro de 2017. Alguns estavam passando necessidades.

Na última semana, a
COBRAPOL - Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis, convocou os representantes regionais, FEIPOL (Centro Oeste, Norte, Nordeste, Sul e Sudeste) e os representantes estaduais, para unirem forças em prol dos colegas potiguares.

Além do apoio nas mediações, a COBRAPOL convovou as entidades a auxiliarem financeiramente na aquisição de cestas básicas que foram doadas aos polciais.

Nesta terça feira, 9, o Governo do Estado do Rio Grande do Norte decidiu por pagar os salários atrasados, realizou o pagamento do mês de novembro, prometendo o do mês de dezembro para até o dia 12 de janeiro. Já para o pagamento do 13°, o governo busca empréstimo.

O SINPOL-TO participou ativamente da mobilização enviando a quantia de R$ 3.106,60 para a aquisição de cestas básicas e convocando a categoria para uma paralisação em apoio aos colegas potiguares.

Para Ubiratan Rebello, presidente do SINPOL-TO, a união dos representantes e da base foi o ponto chave para a resolução do problema. "Não há como admitir que os direitos básicos de subsistência sejam afrontados e retirados dos trabalhadores pelos governos estaduais ou federal, não há como desempenharmos nossas funções sem recebermos nossa retribuição pecuniária em dia. É o mínimo". E afirmou que "onde quer que exista um policial civil sendo afrontando em seu direito, ali estará a representação classista para defende-lo".

Quanto a mobilização estadual marcada para esta quarta-feira, 10, às 14h, ela foi suspensa pelo SINPOL-TO, uma vez que as reinvindicaçoes já estão sendo cumpridas pelo Governo do RN, mas segundo Rebello, "a qualquer momento poderemos nos mobilizar, tanto para as reivindicações nacionais quanto para as estaduais, uma vez que o Governo do Estado do Tocantins, igualmente, vem descumprindo com os direitos dos Policiais Civis, inclusive quanto ao pagamento do 13° salário, onde 50% dos Agentes, Escrivães e Papiloscopistas e cerca de 85% dos Peritos e Delegados ainda não receberam, além das Progressões Funcionais que atrasam-se desde 2014".

Ascom/SINPOL-TO.

Fotos: Paulo Vitor ASCOM SINPOL-PA